Secretarias Administração Assist. Social Desenv. Econômico Educação e Cultura Esporte e Lazer Finanças e Planejamento Gabinete Obras Saúde Serviços Urbanos Serviços Rurais

ÚLTIMAS NOTÍCIAS / AEDES AEGYPTI NO FOCO

Casas fechadas dificultam trabalho dos agentes de combate ao mosquito


Nós sabemos o quanto que um simples mosquito pode fazer mal para as pessoas. Aquele que transmite a Dengue, nem se fala. E olha que agora ele também transmite a Zika e Chikungunya. Mesmo que aqui em Ubiratã não tenhamos nenhuma notificação das duas, não podemos dar brecha para o mosquito, nunca sabemos o que ele pode causar.

 

Alguns lugares têm a característica de serem municípios dormitórios e, hoje, Ubiratã pode ser considerada um desses municípios. Ou seja, muitos moradores trabalham durante todo o dia e só voltam para casa no período da noite para dormir. O que acaba dificultando o a ação dos agentes.

 

A coordenadora dos agentes de combate ao mosquito, Selma Souza, fala sobre isso.  “Aqui tem um abatedouro e tem bastante gente que trabalha lá. Aí todos os horários que a gente ia não encontrava ou o horário que pessoa estava, ela estava dormindo aí não atendia. Aí a gente até conseguiu uma liminar do juiz, pra gente entrar nessas casas. Se a gente fosse lá duas vezes e não tinha ninguém, a gente podia entrar. Chamava o chaveiro abria a porta e tudo. Mas mesmo assim a gente continua tendo algumas pendências”, explica ela.

 

Em Ubiratã, a lei municipal de 2007 permite a aplicação de multas para infrações prejudiquem as ações de prevenção e combate à dengue na cidade, sendo classificadas em quatro níveis: leve, média, grave e gravíssima. Sobre os valores, Selma diz que: “Então, depende do tanto de focos. Mas é acima de quatrocentos reais. Aí as pessoas se revoltam muito, eles tem uma visão que assim a gene só vai na casa multar, notificar e ferrar com eles. Mas só que na verdade a gente vai para evitar que eles fiquem doentes. Porque quem vai ferrar com eles, na verdade, é o mosquito que estiver contaminado”.

 

Selma destaca ainda que é bem mais fácil a pessoa tirar um tempinho, ir ali cuidar do quintal, virar o que tem água, pois vai demorar cerca de dez minutinhos para isso. “Porque é bem melhor você fazer essa parte, mesmo que seja uma coisa chata toda semana você ter que ir olhar a água e olhar o quintal. Bem melhor do que a pessoa ficar doente e ver um parente morrer de dengue. Que nem tem vários casos no nosso estado de morte por Dengue. Fora as sequelas que ficam quando é Zika ou Chikungunya”, conclui Selma.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Data de Publicação: 05/12/2016

 Galeria de Fotos

 Outras Notícias

Horário de Atendimento: Segunda à Sexta-feira: das 8h00 às 12h00 e das 13h30min às 17h00
(44) 3543-8000